Ministra quer reduzir margem de lucro para gás de cozinha

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, estuda a possibilidade de redução da margem de lucro de toda a cadeia de produção e comercialização do gás de cozinha. A informação foi dada hoje pelo presidente da Federação Nacional das Associações do Comércio Varejista, Transportador e Revendedor de Gás Liqüefeito de Petróleo (Fenagás), Jorge Lúcio da Silva. Ele esteve reunido com a ministra, representantes da Petrobras, da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e dos setores de distribuição e revenda de gás de cozinha, para estudar uma possível queda no preço do produto.O presidente da Fenagás disse à ministra que isso só será possível se forem feitas alterações na estrutura de preço do gás, com redução da carga tributária. Segundo ele, os impostos representam 30% do preço final do gás.Depois do encontro, o Ministério de Minas e Energia divulgou nota informando que na próxima quinta-feira um grupo coordenado pela Secretaria de Petróleo e Gás apresentará um diagnóstico com sugestões para a redução do preço do botijão do gás de cozinha de 13 quilos. Esse grupo foi criado hoje e é formado por representantes da ANP, Petrobrás, Sindgás, Sergás e Fenagás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.