Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Tereza Cristina será a entrevistada desta quinta em série sobre retomada econômica

Ministra da Agricultura falará sobre os desafios do setor em meio à pandemia e sobre as turbulências provocadas pela alta nos preços de alimentos; série é uma parceria com a Tendências Consultoria

O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2020 | 17h10

A programação de lives do Estadão prossegue nesta quinta-feira, 17, com o ciclo de debates dedicado a compreender os desafios e identificar as alternativas para o Brasil reaquecer a sua economia, após os estragos provocados pela pandemia do novo coronavírus.

Em uma parceria com a Tendências Consultoria Integrada, a convidada desta edição do Estadão Live Talks será a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina

Nesta quinta-feira,  às 10 horas, ela participa de uma conversa ao vivo onde vai ser questionada sobre a preocupação dos investidores e consumidores com a sustentabilidade no campo, com a crescente cobrança aos produtores  por ações de certificação, rastreabilidade e também sobre pontos como embalagem dos produtos.

A ministra também deve falar das medidas tomadas para combater os efeitos econômicos da pandemia. O debate envolve desde ações encampadas para manter a cadeia do agronegócio funcionando adequadamente - da produção ao beneficiamento, passando pelo transporte - até a recente inflação dos alimentos que compõem a cesta básica, tendo o arroz como um dos grandes vilões.

Crise do arroz

Na semana passada, o governo se viu às voltas com uma turbulência após o Ministério da Justiça notificar supermercados e produtores de alimentos pela alta nos preços. A medida foi vista pelo mercado e mesmo por parte do governo, em especial a ala mais liberal, como uma espécie de intervenção do governo nos preços. 

Na mesma semana, Tereza Cristina publicou um vídeo pedindo tranquilidade à população e dizendo que o Brasil não enfrentaria problemas de abastecimento dos produtos. 

“Tivemos alguns problemas com esse produto. No passado, o arroz teve um preço muito baixo durante muitos anos. Tivemos uma queda na área de produção, então, hoje, ele tem um preço mais alto. Mas ele está nas prateleiras e vai continuar”, disse a ministra. 

Descartando qualquer tentativa de intevenção, ela afirmou que o governo já tomou as medidas que podiam ser feitas para dar estabilidade e equilíbrio ao preço do arroz. “O Brasil tirou a alíquota de importação para que o produto de fora pudesse entrar. É uma cota de reserva para que possamos ter tranquilidade de que o preço vai voltar e ser equilibrado”, afirmou a ministra. 

Redes sociais

Tereza Cristina responderá a perguntas da diretora-presidente da Tendências Consultoria, Elizabeth Farina, e da jornalista e colunista do Estadão Eliane Cantanhêde. 

A transmissão acontece nas redes sociais do Estadão: YouTube (TV Estadão), Facebook, LinkedIn, Twitter e também pelo Webinar. A cobertura completa estará no portal do Estadão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.