Ministro alemão quer G7 e BCs juntos contra a crise

Há uma necessidade de ação conjunta adicional de bancos centrais e do G7, grupo dos sete países mais ricos do mundo, para que se lide com o impacto negativo da crise financeira global, afirmou hoje o ministro de Economia da Alemanha, Michael Glos.Para ele, os bancos ainda não revelaram inteiramente o impacto da crise, que teve início em agosto com a depreciação de ativos ligados a hipotecas nos EUA. "Acho que, à luz da extensão da crise, é correto que os bancos centrais adotem medidas emergenciais", disse o ministro em discurso preparado para o encontro de primavera do banco BVR."Meu sentimento é o de que esforços coordenados extras são necessários porque a situação ainda não está totalmente sob controle", declarou Glos. Ele alertou, porém, que os governos não devem adotar medidas excessivamente rápidas para lidar com a situação. "Precisamos de mais transparência para que os mercados saibam quão grandes são os riscos que estão enfrentando", completou.Os comentários de Glos foram feitos pouco antes do encontro de ministros de finanças do G7 e bancos centrais, marcado para a próxima sexta-feira em Washington.Desde o início da crise financeira, os bancos centrais deram amplo apoio com recursos para prover liquidez aos bancos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.