Ministro anuncia recursos para comercialização de arroz

O Ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, anunciou recursos para apoiar a comercialização de arroz. Na prática, a colheita já começou no Rio Grande do Sul. Foram colhidos cerca de 5% da área semeada, de 1,016 milhão de hectares, na safra 2003/04. O governo federal garantiu a prorrogação automática de R$ 480 milhões de créditos de custeio, que vencem a partir de junho, em cinco parcelas mensais. Rodrigues também anunciou a destinação de R$ 240 milhões em vários mecanismos, incluindo Empréstimos do Governo Federal (EGFs) e Cédulas de Produto Rural (CPR). Segundo o ministro, as medidas conseguirão enxugar do mercado cerca de 2,2 milhões de toneladas de arroz. Além destas medidas, o governo deverá ter pronto em 15 dias o regulamento do novo contrato privado de opção, previu Rodrigues. Ele aguarda a aprovação jurídica no Ministério da Fazenda para colocar em prática o mecanismo. A cadeia produtiva do arroz propõe fixar o preço da saca de 50 quilos em R$ 32,79 no primeiro leilão que será feito nesta modalidade, com prêmio de R$ 3,00 por saca. O governo precisaria destinar R$ 72 milhões para garantir a comercialização de 1,2 milhão de toneladas neste mecanismo, segundo cálculo da Câmara Setorial do Arroz. Rodrigues previu que o Brasil terá uma excelente safra de arroz, com produção acima de 12 milhões de toneladas. Os arrozeiros gaúchos têm uma expectativa menor: entre 11,7 e 11,8 milhões de toneladas, pois calculam prejuízos causados pelo clima em grandes Estados produtores. No Rio Grande do Sul, a expectativa para a safra de arroz contrasta com as preocupações dos produtores de milho e soja com a estiagem. Enquanto a colheita de arroz deve ser 26,44% maior que na safra anterior, atingindo 5,9 milhões de toneladas, o Estado contabiliza perdas de rendimento na soja e milho de 18,6% e 1,59%, respectivamente, em relação ao desempenho da safra 2002/03. O efeito do clima sobre a safra será tratado no conjunto dos Estados pelo Ministério da Agricultura, depois de um novo levantamento que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) irá fazer na segunda metade de março, indicou Rodrigues. O ministro lembrou que há excesso de chuvas em Mato Grosso, Goiás e Tocantins e estiagem no sul.

Agencia Estado,

08 Março 2004 | 11h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.