Ministro argentino não descarta que bancos assumam dívida

Segundo Kicillof, há a possibilidade de os bancos privados argentinos fazerem uma oferta pelos bônus dos fundos 'abutres', o que solucionaria o impasse da dívida 

Altamiro Silva Júnior, correspondente, O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2014 | 21h42

NOVA YORK - O ministro da economia da Argentina, Axel Kicillof, afirmou na noite desta quarta-feira que não se pode descartar que bancos privados argentinos façam uma oferta pelos bônus dos fundos dos Estados Unidos, ficando assim com a dívida dos chamados "holdouts".

Assim, as negociações passariam a ser entre a Casa Rosada e este grupo de bancos. "Não se pode descartar soluções entre terceiros, porque se gerou um problema privado", afirmou o ministro, em uma entrevista à imprensa no início da noite desta quarta-feira.

O ministro argentino culpou as decisões do juiz federal dos EUA, Thomas Griesa, pela falta de acordo com os fundos. Ele classificou as decisões como "desacertadas e insólitas". "O governo argentino vai respeitar parâmetros da lei, que favorecem o povo argentino", afirmou na entrevista, destacando que o país não vai se sujeitar a "extorsões e ameaças".

Na entrevista, o ministro ressaltou que o juiz negou os pedidos da Argentina para suspensão da sentença, que determinava o pagamento até hoje, dia 30, de US$ 1,3 bilhão. Além disso, Griesa determina que a Argentina pague ao mesmo tempo essa dívida e a dos fundos que aceitaram a reestruturação. 

Mas a Argentina só depositou, no fim de junho, o pagamento do último grupo e o juiz impediu que os bancos distribuíssem os recursos. "Griesa não entende a complexidade do assunto", disse Kicillof, afirmando que investidores em diversas partes do mundo possuem bônus argentinos.

O ministro afirmou ainda que a sentença, conforme determinada por Griesa, faria a dívida de US$ 1,3 bilhão se transformar em US$ 15 bilhões, com outros fundos reclamando os mesmos benefícios, e no limite chegar a US$ 120 bilhões, com todos os credores da dívida do país entrando com ações.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinadívidafundos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.