André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Ministro considera 'natural' insatisfação do consumidor com preço da energia elétrica

Chefe da pasta de Minas e Energia, Eduardo Braga comentou os resultados de uma pesquisa da Abraceel que aponta que seis em cada dez brasileiros consideram abusivos os preços da conta de luz

Eduardo Rodrigues, O Estado de S. Paulo

01 de outubro de 2015 | 11h04

BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, considerou natural a insatisfação dos consumidores brasileiros com o custo da energia elétrica, mas alegou que o aumento das tarifas foi necessário para garantir o abastecimento do País. 

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 1º, elaborada pelo Ibope sob encomenda da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), mostra que seis em cada dez brasileiros consideram abusivos os preços das contas de luz. 

"É natural que haja uma insatisfação, considerando que passamos por um momento de reestruturação das tarifas do setor. Mas a pior tarifa é não ter energia elétrica. O Brasil passa por uma seca prolongada e a energia mais cara é a que não existe", argumentou. 

De acordo com a pesquisa, 88% dos brasileiros consideram o preço da energia caro ou muito caro. Os que avaliam as contas de luz como muito caras são maioria, chegando a 57%, seguido pelos que as consideram caras (31%). Apenas 9% dos entrevistados acham os preços cobrados justos e 1% acredita que a eletricidade no País é barata. 

A pesquisa da Abraceel mostra ainda que 72% da população gostariam de poder escolher o fornecedor de energia elétrica, em um ambiente de portabilidade de contas de luz, uma das bandeiras da entidade. O Ibope entrevistou 2.002 pessoas em julho deste ano, e a pesquisa tem margem de erro de dois pontos porcentuais e grau de confiança de 95%. 

Tudo o que sabemos sobre:
EnergiaEduardo Bragaconta de luz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.