Ministro da Agricultura defende CPI para caso Parmalat

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, posicionou-se favorável à instalação no Congresso Nacional de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para analisar as operações financeiras da Parmalat no Brasil. "Talvez seja de extrema ajuda ao governo a criação de uma CPI, como forma de nos ajudar a desvendar ou limpar o cenário que cerca a crise da Parmalat", afirmou. O relator da Comissão Especial da Câmara que analisa a crise da Parmalat, Assis Miguel do Couto (PT-PR), acrescentou que o "momento político" é favorável à criação de uma CPI. "O momento político indica que não há outra alternativa a não ser a criação da CPI", disse ele. "Os deputados já se movimentam para colher as assinaturas necessárias", observou. Miguel do Couto afirmou que em conversa com o presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), este não impôs obstáculos à criação da CPI. Quanto à decisão do governo de liberar R$ 300 milhões para operações de Empréstimo do Governo Federal (EGF) aos produtores, o relator disse que há um problema operacional, pois muito pouco desse montante foi liberado efetivamente até o momento. Desse total, as estimativas do governo são de que R$ 113 milhões tenham sido liberados. Quanto ao seu relatório, Miguel do Couto informou que o texto será avaliado pela Comissão Especial na próxima terça-feira. Ele participa de audiência pública, no plenário 11 da Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.