Estadão
Estadão

Ministro da Agricultura defende portaria que dificulta pena por trabalho escravo

Em nota de apoio a portaria que determina que só o ministro do Trabalho pode incluir empregadores na Lista Suja do Trabalho Escravo, Maggi diz que documento organiza falta de critério nas fiscalizações

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 09h38

SÃO PAULO - O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, divulgou hoje nota de apoio à Portaria 1.129/2017 do Ministério do Trabalho, que dificulta a punição de empresas que submetem trabalhadores a condições degradantes e análogas à escravidão. 

Maggi disse, na nota, que a portaria "vem organizar um pouco a falta de critério nas fiscalizações". E complementou: "Ninguém quer ou deve ser favorável ao trabalho escravo, mas ser penalizado por questões ideológicas ou porque o fiscal está de mau humor não é justo. Parabéns presidente Michel Temer. Parabéns ao ministro (do Trabalho) Ronaldo Nogueira".

+ Ruralistas comemoram e oposição quer derrubar decreto que dificulta comprovar trabalho escravo

A portaria, publicada no domingo (15) no Diário Oficial da União, determina que, a partir de agora, só o ministro do Trabalho pode incluir empregadores na Lista Suja do Trabalho Escravo, esvaziando o poder da área técnica responsável pela relação. A nova regra altera a forma como se dão as fiscalizações, além de dificultar a comprovação e punição desse tipo de crime.

+ Servidor é exonerado após queixa de falta de verbas

Braços dados. O Ministério Público do Trabalho (MPT) acusou o governo de dar os “braços” às empresas que escravizam. O coordenador nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete) do MPT, Tiago Muniz Cavalcanti, avaliou que a portaria viola tanto a legislação nacional quanto compromissos internacionais firmados pelo Brasil. “O governo está de mãos dadas com quem escraviza. Não bastasse a não publicação da lista suja, a falta de recursos para as fiscalizações, a demissão do chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), agora o ministério edita uma portaria que afronta a legislação vigente e as convenções da OIT. O Ministério Público do Trabalho tomará as medidas cabíveis”, afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.