Ministro da Defesa defende ajuda oficial à Varig, se a lei permitir

O ministro da Defesa, Waldir Pires, defendeu agora à tarde, em entrevista, ajuda financeira oficial para a Varig "se houver possibilidade legal". A uma pergunta sobre a possibilidade de o dinheiro sair dos cofres do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Pires respondeu: "Se houver um projeto economicamente viável apresentado pela empresa, e se não houver nenhum impedimento (legal), pode ser um caminho." Segundo o ministro, é necessária uma solução "imediata, o mais rápido possível". "Esta semana seria o ideal, tem que ser, precisa ser (nesta semana), porque, a cada dia, há uma deterioração muito rápida da situação", completou Waldir Pires. Ele confirmou que recebe hoje, no Ministério da Defesa, um grupo de funcionários da Varig. A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou na tarde de hoje que será "sempre favorável" a qualquer solução governamental para a crise da Varig que não implique gasto de dinheiro público. Ao sair do Palácio do Itamaraty, após o almoço oferecido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva à presidente do Chile, Michele Bachelet, a ministra confirmou, em rápida conversa com jornalistas, que a situação da Varig está sendo examinada pelo governo e antecipou que "não há uma solução fácil" para os problemas da empresa, que está com dívidas de R$ 7 bilhões. "Estamos em avaliação dos dados em relação à empresa. Como não se trata de uma empresa estatal, o governo depende desse acesso aos dados", disse Dilma Rousseff. Ela enfatizou que o ministro da Defesa, Waldir Pires, é o responsável pela condução das discussões em busca de uma solução para a crise na Varig. A expectativa do governo, segundo a ministra, é a de concluir a avaliação nesta semana. Por fim, Dilma informou que a Casa Civil ainda não recebeu uma proposta dos empregados da Varig. Lula é evasivo Já o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando saía, na tarde de hoje, do Palácio do Itamaraty, evitou falar sobre a possibilidade de ajuda do governo na busca de uma solução para a crise da Varig. A uma primeira pergunta sobre o assunto, Lula respondeu: "Você tem que perguntar para a direção da Varig". O presidente continuou andando, mas parou ao ouvir uma segunda pergunta: "Presidente, vai ter dinheiro para a Varig?" Lula balançou a cabeça negativamente, mas sem deixar clara sua posição, e continuou andando para o estacionamento oficial do Itamaraty. Sem solução Na manhã de hoje, Pires já tinha antecipado que a reunião na Casa Civil, sobre a situação financeira da Varig, realizada ontem, não foi conclusiva. "Ainda estamos ouvindo todos e a grande discussão é ver se há condições legais de ajudar a empresa", afirmou Pires. Segundo ele, o governo continua empenhado em buscar uma solução "que atenda a toda sociedade, e que seja dentro da lei".

Agencia Estado,

11 Abril 2006 | 18h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.