Ministro da Economia da Argentina não acompanhará reunião com mediador dos EUA

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, não acompanhará a delegação do país que se reunirá na sexta-feira, pela segunda vez nesta semana, com um mediador judicial norte-americano para discutir disputa com detentores de bônus que deixou o país à beira de um default, informou o governo.

REUTERS

10 de julho de 2014 | 12h01

O chefe do gabinete, Jorge Capitanich, explicou a jornalistas que somente representantes legais e técnicos farão parte da comitiva que se encontrará em Nova York com o mediador designado pelo juiz norte-americano Thomas Griesa, que exige que o país compense com ao menos 1,3 bilhão de dólares os detentores de bônus que deixou de pagar em seu default de 2002.

Kicillof havia encabeçado a primeira reunião na segunda-feira, despertando expectativas nos mercados de que a Argentina finalmente alcançaria um acordo com os investidores conhecidos como "holdouts", que se negaram a participar das reestruturações de dívida que o país realizou.

"A comitiva que vai se reunir com o special master (mediador) Daniel Pollack em Nova York, Estados Unidos, será formada por uma equipe jurídica e financeira do Ministério da Economia e outras áreas do governo, mas não vai participar o ministro da Economia", disse Capitanich.

A Argentina pode entrar em default em 30 de julho uma vez que Griesa não permite que um banco norte-americano repasse os recursos para realizar os pagamentos dos juros de um bônus da dívida argentina que venceu no fim de junho sem que antes haja a um acordo com os "holdouts".

(Reportagem de de Walter Bianchi)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROARGENTINADIVIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.