Gustavo Raniere / Ministério da Fazenda
Gustavo Raniere / Ministério da Fazenda

Ministro da Fazenda admite que governo pode revisar PIB para baixo

Previsões do governo apontam crescimento de 2,5% do PIB em 2018, mas Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira apontou que mercado estima avanço inferior a 2%

Eduardo Laguna e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2018 | 17h06

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, admitiu nesta segunda-feira, 11, que o governo poderá rever para baixo a previsão oficial sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Ele observou, porém, que essas previsões são reavaliadas a cada dois meses na programação orçamentária e que não faria revisões a cada semana.

+ PIB do País pode ficar patinando em 1,3%

As previsões do governo apontam a um crescimento de 2,5% do PIB em 2018, mas o boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, mostrou que o mercado já vê um avanço inferior a 2%.

Após participar de um seminário promovido pelo Goldman Sachs, Guardia reconheceu que, "sem dúvida", a greve dos caminhoneiros trouxe prejuízos ao País, mas avaliou que vê como "exageradas" algumas estimativas sobre o impacto da paralisação no transporte de carga.

+ Mercado vê PIB abaixo de 2% inflação maior para 2018

Lembrou ainda que os economistas já vinham observando perda de ritmo da economia antes da greve. Segundo o ministro, a paralisação deve ter impacto temporário na atividade econômica.

"Revemos a previsão a cada dois meses, quando divulgamos a programação orçamentária. Então, vamos continuar fazendo isso. Quando fazemos as revisões orçamentárias do ano, sempre saímos com uma nova grade de parâmetros. Esse processo de revisão é contínuo", comentou Guardia.

"Pode ser uma revisão para baixo", acrescentou o ministro ao ser questionado se, na próxima reavaliação do orçamento, o governo poderá reduzir a previsão ao PIB.

"Vamos esperar a próxima revisão e divulgar os números. O que não quero é a cada semana sair com projeções diferentes para crescimento".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.