EFE/Laurent Gillieron
EFE/Laurent Gillieron

Ministro da Fazenda diz que juros podem cair mais

Meirelles acredita o Copom irá reduzir a Selic de 6,75% para 6,50% na próxima reunião, dia 20

Eduardo Rodrigues, enviado especial, O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 12h44

CUIABÁ - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considerou que o Banco Central pode cortar novamente a Selic na próxima reunião do Conselho de Política Monetária (Copom). Atualmente, a taxa básica de juros está em 6,75% ao ano. "A taxa Selic já está no nível mais baixo da história e pode cair mais uma vez. Vamos aguardar a decisão do Banco Central", afirmou o ministro.

+ Selic terá novo corte na reunião do Copom da próxima semana, aponta Focus

Pesquisa preliminar do Projeções Broadcast mostrou que boa parte do mercado (33 de 36 casas ouvidas) acredita que o Copom irá reduzir o juro de 6,75% para 6,50% em março. Já três entrevistados avaliam que a taxa permanecerá em 6,75%. Para 26 instituições, a queda esperada para este mês deve ser a última do ciclo, enquanto 5 casas preveem que o BC poderá dar continuidade ao processo de flexibilização monetária.

Meirelles voltou a destacar a queda da inflação e retomada do crescimento da economia brasileira após a recessão. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1% e a inflação medida pelo IPCA ficou em 2,95%. 

+ OPINIÃO A inflação e a pauta dos juros

"O Brasil hoje cresce muito e agricultura é setor que ajuda bastante. A agricultura foi o primeiro setor que deu impulso à retomada com a safra anterior e tenho certeza que a próxima também será positiva", avaliou, em discurso no evento Gazeta Agro. 

Ele apontou dados específicos sobre a produção de alimentos no Mato Grosso. "A indústria e os serviços também já estão crescendo novamente", completou.

Meirelles apontou que o consumo do governo caiu em 2017. Segundo ele, a redução no consumo público amplia o espaço para os investimentos. "O governo está fazendo o dever de casa. Ao contrário do governo anterior, estamos fazendo uma administração fiscal rigorosa, permitindo que o País cresça", acrescentou. 

O ministro ainda mostrou dados sobre a população ocupada no País e voltou a projetar que o Brasil criará 2,5 milhões de empregos em 2018. "Chegaremos ao fim do ano com mais brasileiros empregados do que em qualquer momento da história do País", prometeu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.