Ministro da Previdência considera MP 443 positiva

O ministro da Previdência, José Pimentel, considerou positiva a iniciativa do governo de emitir Medida Provisória 443 que permite que bancos públicos adquiram empresas de previdência privada, seguros, capitalização e instituições financeiras. "Essa iniciativa permitirá que os bancos estatais concorram na disputa por outras instituições e, com isso, estendam sua presença no mercado nacional", disse o ministro há pouco. Pimentel defendeu a solidez dos fundos fechados de previdência, formados a partir de empresas públicas e privadas. "A parte da previdência que está com o mercado é que está em crise. E nós precisamos proteger os trabalhadores que têm previdência neste setor, sem deixar de cobrar dos bancos privados ou estatais que captaram esses recursos que os devolvam para os seus segurados. Isso não tem nada a ver com os fundos de pensão e com a previdência pública brasileira", disse Pimentel. De acordo com ele, o "Brasil tem sistema de governança corporativa muito forte e transparente", o que permite que seja feito um acompanhamento contínuo de suas finanças. "Essa transparência permite que esses fundos tenham melhor gestão, melhor aplicação e melhor controle. Há grande solidez e robustez", afirmou ele. O ministro lembrou, ainda, que os fundos privados de pensão são responsáveis por 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. Pimentel participou de encontro realizado pela Dataprev, no Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.