Ministro de Finanças do Japão nega que estava bêbado no G7

O ministro de Finanças do Japão negou nesta segunda-feira que estivesse bêbado durante entrevista coletiva na reunião do G7 no fim de semana, mas a oposição exigiu que ele seja demitido, aumentando a pressão sobre o já impopular governo do primeiro-ministro Taro Aso antes das eleições deste ano. Ao ser perguntado se pensava em pedir demissão, pouco antes de uma reunião com o premier, o ministro Shoichi Nakagawa, disse aos jornalistas: "Se me pedirem para renunciar, eu renunciarei". Aliado próximo de Aso, Nakagawa, de 55 anos, disse que tomou apenas um gole de vinho durante o almoço que aconteceu antes da entrevista coletiva, que se seguiu ao encontro dos ministros de finanças dos sete países mais desenvolvidos (G7), em Roma. Mas ele disse que tomara uma grande quantidade de remédios para gripe, o que pode ter afetado sua performance. Se Nakagawa for demitido ou forçado a deixar o cargo, isso será um forte baque para o governo de Aso, afirmaram analistas. Durante a entrevista coletiva, ao lado do presidente do Banco do Japão, Masaaki Shirakawa, a fala de Nakagawa parecia lenta. Em um dado momento, o ministro, de cabeça baixa e olhos fechados, respondeu uma pergunta que havia sido feita para o presidente do banco central japonês e não para ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.