Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Ministro de Minas e Energia defende presidente da Eletrobrás

Para Fernando Coelho Filho, agenda do executivo está relacionada a sobrevivência da estatal

Luciana Collet, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2017 | 20h11

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, saiu em defesa do presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, que na semana passada teve uma conversa com sindicalistas divulgada com exclusividade pelo Estadão/Broadcast na qual ele chama funcionários da estatal de "vagabundos" e "safados".

Coelho Filho afirmou que "o presidente acertou em reconhecer que exagerou na palavra", mas salientou que o executivo "tem a nossa confiança, tem todo nosso apoio para poder tocar a agenda que tem na empresa". Para o ministro, essa agenda "não é apenas de governo ou de austeridade, é para poder permitir que a Eletrobrás possa continuar sobrevivendo", disse a jornalistas, no intervalo do Ethanol Summit 2017, em São Paulo.

Para ele, a situação da Eletrobrás é "extremamente delicada".

"Tem coisas que não dá para a gente conviver, não quero entrar no mérito de como chegaram até aqui, e não é contra um indivíduo, uma pessoa em si, é contra a empresa como um todo", disse. "Não dá para ver uma companhia que amargou nos últimos 4 anos R$ 32 bilhões de prejuízo dando uma oportunidade de privilégios a uma série de pessoas que não é justa com momento que o Brasil está vivendo", disse.

++ Eletrobrás vai cortar ponto de grevistas; sindicatos veem retaliação

Ferreira Júnior foi gravado criticando em particular funcionários em cargos mais altos da estatal. "São 40% da Eletrobras, 40% de cara que é inútil, não serve para nada, ganhando uma gratificação, um telefone, uma vaga de garagem, uma secretária. Vocês me perdoem. A sociedade não pode pagar por vagabundo, em particular, no serviço público", traz um trecho de cinco áudios. /Colaborou Fernanda Nunes

Mais conteúdo sobre:
Wilson Ferreira Júnior Eletrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.