Divulgação
Divulgação

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Ministro de Minas e Energia deixa cargo para votar pela PEC do Teto

Assim como na primeira votação, Coelho Filho, que é deputado federal, se licenciou para reassumir o mandato parlamentar

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2016 | 08h12

BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, foi exonerado do cargo nesta terça-feira, 25, conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU). O motivo da saída do ministro não foi informado no documento, mas deve consistir na mesma estratégia adotada pelo governo no início do mês para reforçar os votos a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos no primeiro turno na Câmara dos Deputados. 

Assim como na primeira votação, Coelho Filho, que é deputado federal, se licenciou do ministério para reassumir o mandato parlamentar e votar pela aprovação da medida. A sessão para a votação da PEC em segundo turno na Casa está marcada para esta tarde e o governo esperar repetir a votação expressiva obtida no último dia 11, quando aprovou o texto por 366 votos a 111. 

Na semana passada, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, também deixou o cargo temporariamente para votar na sessão de hoje. 

Caixa. O governo de Michel Temer exonerou Márcio Percival Alves Pinto do cargo de vice-presidente da Caixa Econômica Federal. A saída de Percival da função, que ocorre a pedido, está formalizada no Diário Oficial da União (DOU). Percival, que é especialista em Ciências Econômicas, estava à frente da área de Finanças do banco desde julho de 2007. 

No Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), também houve mudança. Fernando de Magalhães Furlan saiu do cargo de secretário executivo do Ministério, a pedido, dando lugar a Marcos Jorge de Lima. Para assumir o novo posto, Lima foi exonerado da chefia de gabinete do ministro da pasta, Marcos Pereira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.