Ministro de Relações Exteriores de Portugal renuncia; juro de bônus sobe

Notícia vem um dia após o ministro das Finanças anunciar sua saída

Stefânia Akel, da Agência Estado,

02 de julho de 2013 | 15h56

LISBOA - O governo de Portugal, prejudicado por uma recessão e pela crescente resistência popular a suas políticas de austeridade, enfrentou mais uma turbulência terça-feira, 2, com a renúncia do seu ministro de Relações Exteriores, Paulo Portas, um dia após a renúncia do ministro de Finanças, Vítor Gaspar. Com a renovada ameaça ao governo, os yields (retorno ao investidor) do bônus portugueses terminaram o dia em forte alta.

O partido liderado por Portas, o Centro Democrático e Social - Partido Popular (CDS-PP), apesar de pequeno, garante ao governo maioria no Parlamento. Ainda não está claro, no entanto, se o CDS-PP vai retirar seu apoio à coalizão de dois anos do primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho.

Em comunicado, Portas disse que sua renúncia é uma forma de protesto à escolha da secretária do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, como nova ministra de Finanças. Assim como Gaspar, Maria Luís enfatiza a necessidade de o governo manter forte controle sobre o Orçamento.

"O primeiro-ministro decidiu seguir um caminho de continuidade no Ministério das Finanças", disse Portas. "Eu respeitosamente discordo."

O mercado reagiu ao cenário político desafiador do país e o yield do bônus de dez anos do governo português subiu 33 pontos-base, para 6,64%. Fonte: Dow Jones Newswires e Market News International.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.