finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ministro De Vido chega ao Brasil com 'gesto de paz'

Em reunião com Lobão, em Brasília, argentino anunciará, sem alarde, que a suspensão de exploração da Petrobrás em Neuquén será revertida

TÂNIA MONTEIRO / BRASÍLIA, ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2012 | 03h03

O ministro argentino do Planejamento, Investimentos Públicos e Serviços, Julio de Vido, traz para a reunião de hoje com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, uma espécie de sinal de paz. O cancelamento da licença para a Petrobrás explorar uma área na Província de Neuquén será revertido. A ideia é mostrar que a estatal brasileira não corre o mesmo risco dos espanhóis da Repsol.

Nas conversas que antecederam o encontro de hoje, representantes do governo federal argentino explicaram aos colegas brasileiros que o revés sofrido pela Petrobrás foi resultado de uma decisão de um governo local, por motivações políticas também locais.

O recado do governo de Cristina Kirchner já foi repassado ao Palácio do Planalto. Os argentinos, no entanto, não vão fazer nenhum alarde para anunciar a reversão da decisão para não causar mais problemas com a Espanha, que não se conforma com a expropriação da participação que a Repsol tinha na YPF. "Há coisas que a gente faz e não fala. Esta decisão deve ser tomada nesses moldes", disse fonte do governo brasileiro.

Em Brasília, permanece o sentimento de que os argentinos "não têm motivo" para repetir com empresas brasileiras, a mesma atitude tomada em relação à petrolífera espanhola. "Mas uma luz amarela acendeu em relação a novos investimentos brasileiros no País", ressaltou o interlocutor do governo brasileiro, comentando, no entanto "que eles não são nem loucos" de fazer uma coisa parecida com o Brasil.

A certeza se baseia no fato que a relação entre Brasil e Argentina é umbilical e há vínculos muito fortes entre as duas economias. "Há uma dependência comercial e energética", prosseguiu a fonte, lembrando que, em relação à Espanha, a dependência é mínima.

Oficialmente, o governo brasileiro continuará evitando comentar a decisão tomada contra os espanhóis, embora fontes ouvidas pelo Estado tenham considerado o gesto, no mínimo, pirotécnico e com potencial para trazer prejuízos à imagem da Argentina.

Pressão. Na Argentina, ontem, De Vido e o vice-ministro da Economia, Axel Kicillof, ordenaram aos diretores da expropriada YPF que aumentem a produção da empresa imediatamente. O plano é reverter a queda de produção de petróleo e gás da YPF nos últimos anos e mostrar a suposta eficiência do governo da presidente Cristina Kirchner nas empresas estatais.

Além disso, o governo pretende "mostrar serviço" na YPF, e assim reverter a má imagem que a administração estatal teve nos últimos anos no país. Um dos casos emblemáticos é o da companhia aérea Aerolíneas, que após a reestatização, há meia década, sempre fechou os anos com substanciais déficits.

De Vido e Kicillof, respectivamente designados pela presidente Cristina para o posto de interventor e vice-interventor da YPF, ordenaram a preparação de um plano para perfurar e reparar mais de mil poços de petróleo. Além disso, determinaram que a refinaria da YPF na cidade de La Plata, Província de Buenos Aires, deverá aumentar sua produção em 8% de forma imediata.

Os dois também anunciaram a abertura de negociações com a francesa petrolífera Total, para ampliar a capacidade produtiva das jazidas de petróleo que a empresa tem em algumas áreas do país, em conjunto com a YPF. O plano do governo é aumentar em 2 milhões de metros cúbicos diários de gás a produção das jazidas nas áreas de Aguada Pichana e Aguada San Roque, na Província de Neuquén. Ambas são responsáveis por 20% da produção de gás da Argentina.

Na Espanha, o governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy vai avaliar hoje que medidas tomar em resposta à decisão argentina na reunião semanal do Conselho de Ministros. Os ministros de Assuntos Exteriores, José Manuel García Margallo, e da Indústria, Manuel Soria, já adiantaram que preparam medidas "claras e contundentes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.