Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Ministro defende inspeção para renovar frota de caminhões

Cobrança de impostos mais caros para veículos mais antigos também é uma medida defendida por Miguel Jorge

Carolina Freitas, da Agência Estado,

26 de outubro de 2009 | 16h51

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse nesta segunda-feira, 26, em São Paulo que a renovação da frota brasileira de caminhões só será possível com um programa efetivo de inspeção veicular. Miguel Jorge defendeu ainda que veículos mais antigos paguem impostos mais caros, como forma de estímulo à compra de caminhões novos.

 

Veja também:

linkFord quer investir R$ 370 mi em divisão de caminhões no Brasil 

 

"Só a manutenção estrita de um programa sério de inspeção veicular fará a renovação natural da frota de caminhões", afirmou o ministro ao participar da cerimônia de abertura do 17º Salão Internacional do Automóvel (Fenatran), na capital paulista. Na semana passada, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) aprovou a obrigatoriedade da inspeção veicular em todo o País.

 

Em entrevista coletiva após a abertura do evento, Miguel Jorge defendeu a taxação de carros antigos, que hoje são isentos de IPVA. "Outra coisa que vou me atrever a falar: é preciso ter impostos maiores para veículos mais velhos. O País é um dos únicos do mundo que, quanto mais velho o carro, menos você paga imposto", disse o ministro. "Como temos esse problema de ser o País que protege os coitadinhos, ficamos com esse tipo de política populista e demagógica que no fundo faz atrasar o País."

 

O ministro descartou fazer um programa de bônus para os caminhoneiros que queiram entregar seu veículo antigo e comprar um novo, por conta da dificuldade em reaproveitar peças de caminhões com até 30 anos de uso. "O caminhão com 25 ou 30 anos de uso custa no mercado R$ 15 mil ou R$ 20 mil. Você desmancha e não ganha mais de R$ 800 pela sucata. Seria uma absoluta loucura."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.