Ministro diz que é assustadora fragilidade das fraudes na Parmalat

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, disse que documentos contábeis da matriz da Parmalat são de uma fragilidade assustadora. "O grau de vulgaridade, de fragilidade das fraudes contábeis, é assustador", afirmou o ministro, que esteve na semana passada na Itália, onde se reuniu com autoridade italianas e com o interventor do governo na empresa, Enrico Bondi. Rossetto citou, por exemplo, que um título financeiro no valor de US$ 4 milhões, usado pela empresa para conseguir outros financiamento junto a bancos era uma fotocópia fraudada, mas havia sido contabilizado e auditado.O ministro disse, ainda, que desenvolver ações que protejam os produtores brasileiros de leite é uma da prioridade do governo, pois a aposta é a expansão da demanda interna. Ele lembrou que no ano passado o Brasil produziu 23 bilhões de litros de leite e há expectativa de crescimento. No Brasil, 1,8 milhão de agricultores trabalham com pecuária leiteira e 700 mil pessoas estão ligadas ao mercado formal de leite. Desse total, 570 mil são agricultores familiares, que respondem por 52% da produção nacional. Rossetto, que está participando de audiência pública na Câmara dos Deputados, afirmou que não houve queda dos preços pagos aos produtores, como resultado das medidas adotadas pelo governo federal. A informação, no entanto, foi rebatida pelo deputado Leonardo Vilela (PP-GO), que ressaltou que os preços caíram de R$ 0,49 o litro, antes da crise da multinacional, para atuais R$ 0,20 em algumas regiões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.