Ministro diz que não tem verba para frentes de trabalho

O ministro do Trabalho Jaques Wagner disse nesta quinta-feira estar disposto a conversar com representes da CUT sobre a proposta de criação de frentes emergenciais de trabalho nas regiões metropolitanas das capitais para combater o desemprego. "Isso não estava no campo das ações previstas na nossa pasta, mas podemos analisar, embora no orçamento não haja recursos", disse em Salvador, onde participa da Conferência Interamericana dos Ministros do Trabalho.Para ele, essas frentes devem resultar em construção de habitação popular e obras de saneamento, áreas ligadas ao Ministério das Cidades. "Medida emergencial não é a melhor solução, nós estamos interessados em construir um processo que garanta desenvolvimento sustentado, combatendo estruturalmente a questão do desemprego", disse. O ministro disse que não esperava que o índice de desemprego nas regiões metropolitanas voltasse a subir (de 12,8% para 13%). "Apostava mais na tendência de queda e não nessa estabilização, embora tenhamos informações que no campo as ocupações têm aumentado".Sobre a conferência dos ministros de trabalho, Wagner frisou que o consenso entre os participantes é que não se pode mais manter a política econômica desvinculada da política do trabalho e do emprego. "Em uma década de globalização a pobreza se tornou aguda e não podemos permitir que ela se agrave ainda mais", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.