coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Ministro diz que retorno vai cair nos novos leilões

Taxa de R$ 8,95 virou teto e prazo de concessão cairá para 15 anos

Lu Aiko Otta, O Estadao de S.Paulo

10 de outubro de 2007 | 00h00

A próxima concessão de rodovias federais será por um prazo mais curto e, provavelmente, embutirá rentabilidade menor do que os sete trechos leiloados ontem. ''''Hoje, a taxa de retorno de 8,95% ao ano passou a ser teto'''', disse o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento. Ele anunciou que o próximo leilão será o das BRs 116 e 324, ambas no interior da Bahia. A concessão durará 15 anos, em vez dos 25 anos fixados para as estradas leiloadas ontem. ''''É um prazo suficiente para as empresas recuperarem seus investimentos'''', afirmou o ministro.Nascimento não escondia sua satisfação com a disputa acirrada entre as concessionárias de rodovia. Antes do leilão, empresários afirmavam que o governo oferecia uma taxa de retorno muito baixa, o que afastaria candidatas. Essas críticas foram muito intensas no início do ano, quando o governo adiou o leilão e reduziu a taxa de retorno ao concessionário de 12,88% ao ano para 8,95%. Havia quem previa que trechos como a BR-153, no interior de São Paulo, ou a BR-393, no Rio de Janeiro, nem receberiam ofertas.Não foi o que se viu. ''''Isso prova que estávamos certos'''', comemorou Nascimento. Ele deu a entender que mesmo a taxa de 8,95% pode ter sido alta demais, pois os deságios oferecidos pelas concessionárias, na prática, reduziram ainda mais o retorno ao investidor. ''''Com esses deságios, a taxa de retorno caiu.''''Na sua avaliação, o leilão mostrou que a taxa de retorno de 8,95% é viável, até mesmo para rodovias situadas em regiões com economias menos dinâmicas, como o interior da Bahia. ''''Precisa levar em consideração o volume de tráfego e outros fatores.'''' A publicação do edital do próximo leilão está prevista para 20 de dezembro mas, ela pode ser antecipada.A queda média de 46,39% nas tarifas de pedágio nos sete trechos foi ressaltada pelo ministro. ''''O leilão tinha como prioridade o menor preço ao usuário. Se comparada com alguns Estados, a tarifa é bem mais baixa.'''' Questionado se a estocada se dirigia a São Paulo, onde se concentra a malha rodoviária com cobrança de pedágio, ele desconversou. ''''Não critico ninguém, só a mim mesmo.''''DO RAMOO fato de a espanhola OHL haver arrematado cinco dos sete lotes oferecidos no leilão foi considerado ''''um bom sinal'''' pelo ministro. ''''Eles (OHL) estão acostumados com isso, são da área.'''' Ele lembrou que as concessionárias se comprometeram a investir R$ 19,9 bilhões nos próximos 25 anos. O sucesso do leilão, avaliou Nascimento, ampliará a participação das empresas privadas nos investimentos em infra-estrutura no PAC. Além das rodovias na Bahia, está na fila a BR-040, ligando Brasília a Belo HorizonteOs consumidores levarão até janeiro para ver os primeiros resultados do leilão. Até lá será preciso vencer etapas burocráticas. A partir de então, nos primeiros seis meses, as empresas farão obras de caráter emergencial para melhorar o tráfego. ''''As obras mais pesadas vão levar algum tempo.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.