Divulgação
Divulgação

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Ministro do Trabalho irá ao Senado discutir reforma trabalhista com relatores

A previsão é de que o projeto seja votado na Comissão de Assuntos Econômicos na próxima terça-feira

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2017 | 11h05

BRASÍLIA - O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, vai se reunir com os relatores da reforma trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Romero Jucá (PMDB-RR), nesta quarta-feira, 24, às 17h.

A previsão é de que o projeto seja votado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) na próxima terça-feira, 30.  Além da CAE, a reforma trabalhista precisa passar pelas comissões de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) e de Assuntos Sociais (CAS) antes de ser votada em plenário, onde precisa da maioria simples dos votos para ir à sanção presidencial. A votação em plenário está prevista para a segunda semana de junho. Caso seja rejeitado em alguma dessas etapas, o projeto será arquivado.

INFOGRÁFICO: Reforma trabalhista altera 100 pontos da CLT; entenda principais mudanças

O governo tenta dar ares de "normalidade" para a tramitação de matérias de interesse do Planalto no Congresso desde a crise institucional que atingiu o presidente Michel Temer. Mas a primeira tentativa no Senado foi um verdadeiro caos. A apresentação do relatório da reforma trabalhista na CAE na última terça-feira, 23, disputou espaço com gritos, xingamentos e senadores que foram apartados pela Polícia Legislativa para não se agredirem fisicamente. 

Na ocasião, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e o vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), deixaram a sala da comissão confirmando a decisão da base de dar o relatório como lido. Os senadores foram perseguidos nos corredores do Senado por manifestantes aos gritos de "golpistas".

SAIBA MAIS: Após bate-boca, senadores dão como lido relatório da reforma trabalhista

A oposição afirmou que vai obstruir a votação de todos os projetos do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.