Ministro do TST nega-se a suspender intervenção na Vasp

O ministro Gelson de Azevedo, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), rejeitou hoje um pedido de liminar feito pela Vasp para que fosse suspensa a intervenção federal na companhia aérea, decretada pela Justiça do Trabalho em São Paulo.Ao rejeitar a liminar, o ministro também manteve a ordem de bloqueio e indisponibilidade dos bens móveis e imóveis da empresa, pertencente ao empresário Wagner Canhedo e seis sócios. Na decisão, o ministro Gelson de Azevedo apresentou argumentos técnicos.No pedido de liminar, a Vasp sustentou que a intervenção federal desafiava um despacho anterior em que Gelson de Azevedo suspendera a execução provisória dos débitos trabalhistas da empresa aérea. O ministro, no despacho de hoje, afirma que sua decisão anterior e a de hoje se referem a duas ações distintas e sem relação.Vasp lacradaO Departamento de Aviação Civil (DAC), órgão regulador da aviação comercial brasileira, informou que não vai se pronunciar sobre a decisão da 14ª Vara da Justiça do Trabalho que lacrou anteontem a sede da Vasp, em São Paulo, porque o DAC não nomeou um interventor para a companhia, conforme determinação do juiz Lúcio Pereira de Souza do dia 10 de março.Por meio de sua assessoria de imprensa, o DAC informou que não foi notificado oficialmente sobre a intervenção e que quem deve se pronunciar a respeito desse assunto é a Advocacia Geral da União (AGU), que é o órgão que neste caso responde pelo DAC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.