Ministro dos Portos diz que confia na aprovação da MP

Segundo Leônidas Cristino, governo não tem plano B nem C para o assunto

Rafael Moraes Moura, da Agência Estado,

13 de maio de 2013 | 13h41

O ministro da Secretaria de Portos da Presidência da República, Leônidas Cristino, disse nesta segunda-feira estar confiante na aprovação da Medida Provisória 595, a MP dos Portos, que está na pauta de votação de sessão extraordinária do plenário da Câmara marcada para começar às 18 horas de hoje. Segundo ele, "o Congresso Nacional nunca faltou ao Brasil".

Cristino, que concedeu a entrevista no Palácio do Planalto, afirmou que o governo vai trabalhar para aprovar o relatório do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), já aprovado na comissão mista que analisou a matéria. Ele garantiu que o governo não tem plano B nem C para o assunto. "Vamos confiar até o último minuto", disse.

O ministro informou que vai participar junto com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, de reunião com líderes da base governista às 16h30 na liderança do governo. Eles vão tentar chegar a um acordo sobre a votação da MP na Câmara. Ele ressaltou que será discutido se os destaques propostos ao relatório vão desfigurar o teor da MP ou não.

Na entrevista, Cristino ainda destacou que o vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, ambos do PMDB, estão trabalhando pela aprovação da medida.

O ministro também defendeu durante a entrevista a aprovação da MP para modernizar o sistema portuário do País. "O sistema portuário tem função extraordinária para viabilizar e melhorar o desempenho da economia", disse. "Precisamos de um sistema portuário eficiente para escoar nossos produtos", argumentou. Ele ainda destacou que o governo discutiu o teor da Medida Provisória com vários setores. "Nunca deixamos de discutir a Medida Provisória dos Portos com ninguém. O governo nunca foi intransigente, pelo contrário, abrimos mão de muitos pontos", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.