José Cruz/Agência Senado
José Cruz/Agência Senado

Ministro dos Transportes diz que ANTT publica nova tabela de fretes nesta quinta

Valter Casimiro afirmou que adequação da tabela não traz descontentamento aos caminhoneiros, já que o governo está cumprindo o que foi acordado

Tânia Monteiro e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 20h44

Após duas reuniões com diferentes grupos de caminhoneiros, no Palácio do Planalto, o ministro dos Transportes, Valter Casimiro, anunciou que haverá ajuste no preço da tabela de fretes, com detalhamento por tipo de caminhão. Assegurou, no entanto, que essa adequação da tabela não trouxe descontentamento aos caminhoneiros porque "o governo está cumprindo o que foi acordado". O ministro informou, ainda, que também conversou com o pessoal do agronegócio e que o setor também será contemplado com a nova tabela. Segundo o ministro, a nova tabela será publicada amanhã pela ANTT e estará em vigor a partir de então. Na sexta-feira, a medida estará no Diário Oficial.

+ Caminhoneiros ameaçam nova greve se tabela de preços mínimos de frete for alterada

"A ANTT vai publicar amanhã tabela de frete nova, com mais tipos de caminhão; em um caminhão maior, com mais eixos, o preço será diluído", disse ele. Questionado se o governo se comprometeu a anistiar as multas dos caminhoneiros e empresas de transporte, respondeu: "o governo não prometeu nada".

+ Marco Aurélio manda ao STJ pedido de subsídio de importadora

Apesar de evitar declarar que haverá redução do valor do frete, o ministro Casimiro afirmou que "o preço vai ser modificado". E explicou: "quando você está colocando todo custo fixo baseado em poucos eixos, você vai diluir este custo fixo numa quantidade de eixos muito menor, e vai onerar muito mais o frete. Quando você dilui este custo fixo no caminhão com mais eixos, você vai realmente diminuir o preço por eixo nesta carga de um caminhão, por exemplo, de nove eixos", declarou ele, reconhecendo que a tabela mínima de fretes publicada "causou algumas distorções, algumas confusões com relação ao preço".

+ Sob pressão de produtores rurais,governo vai mudar tabela de fretes

O ministro disse, ainda, que a ANTT identificou alguns problemas na constituição da tabela, que previa apenas um tipo de caminhão, alguns com 3 eixos, outros com 6 eixos, e que precisava ampliar para contemplar todo tipo desse veículo e fizesse uma distribuição do custo fixo do frete num caminhão que tivesse mais eixos. Justificou que, por isso, a ANTT está fazendo o trabalho de adequação da tabela, e isso foi explicado para os representantes do movimento. "A ANTT publica amanhã a tabela para todo tipo de caminhão para as cargas previstas na Medida Provisória e isso vai diminuir as distorções que a tabela publicada trouxe", comentou ele, acrescentando que "na semana que vem ANTT publica o chamamento para audiência pública para construir uma tabela ouvindo todos os setores, o produtivo, o de transporte, para construir tabela com todos os requisitos necessários".

+ CNI critica tabela e diz que preço do frete do arroz vai subir até 50%

Para o ministro, "o acordo continua" e "não teve pressão dos caminhoneiros porque o governo está cumprindo o que prometeu". Segundo ele, o Ministério dos Transportes mantém um "fórum permanente" para tratar do tema. Ele disse que não houve ameaça pelos caminhoneiros de retorno à paralisação nas estradas porque foi demonstrado para eles que "o governo cumpriu na redução do preço, da previsibilidade do preço, da não cobrança do eixo suspenso nas praças de pedágios das rodovias estaduais e na elaboração da tabela de preço mínimo de fretes". Portanto, assegurou, "não há constrangimento e todos saíram satisfeitos e entenderam que o governo cumpriu o que prometeu".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.