Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ministro francês quer fortalecimento de fundo de resgate

O ministro de Finanças da França, François Baroin, afirmou que utilizar a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) para assegurar parcialmente a emissão de bônus soberanos aumentaria o poder de fogo do fundo de resgate em cinco vezes. A declaração sugere que a França apoia essa medida, após desistir de alavancar a EFSF por meio do Banco Central Europeu (BCE).

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

24 de outubro de 2011 | 10h11

Baroin acrescentou que o fundo de resgate pode ser fortalecido ainda mais ao incorporar um veículo de propósito específico, para atrair investidores de todo o mundo. "Uma das soluções que sobrou é baseada em um sistema de garantias ou seguros que permitiria, por exemplo, que alguém compre um bônus italiano por 100 e tenha um seguro se houver uma perda de 20", comentou o ministro em uma entrevista para a rádio francesa Europe 1. "É um mecanismo que permite que o poder do fundo de resgate seja multiplicado por cinco", explicou.

Os comentários de Baroin foram feitos após um encontro da cúpula da União Europeia ontem, no qual os líderes europeus não conseguiram chegar a uma solução abrangente para a crise da dívida na zona do euro, como havia sido prometido por França e Alemanha. Um nova reunião de cúpula deve ser realizada na quarta-feira, novamente em Bruxelas, para finalizar esse plano.

A alavancagem da EFSF é um dos principais pontos de discussão. A França defendia que o fundo deveria ganhar uma licença para atuar como banco, o que permitiria acesso adicional a financiamentos do BCE. Mas Baroin afirmou que os franceses desistiram dessa ideia para evitar conflitos com o BCE e a Alemanha.

O ministro francês disse que no encontro de quarta-feira também deve ser finalizado um plano para a recapitalização dos bancos europeus, para que eles atinjam uma taxa de capital Tier 1 de 9% até junho do ano que vem. Segundo Baroin, seria preciso cerca de 100 bilhões de euros em capital extra para que as instituições financeiras do bloco atinjam essa meta. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.