Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Ministro grego admite default, diz jornal

O ministro de Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, disse a parlamentares do seu partido que o país enfrenta o risco de um default desordenado, segundo a edição de ontem do jornal Ta Nea. A publicação acrescenta que o ministro sugeriu um possível desconto de 50% na dívida do país. Segundo o jornal, Venizelos apresentou aos parlamentares do Partido Socialista três cenários possíveis para a Grécia.

ATENAS, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h09

No primeiro cenário, a Europa seguiria adiante com os compromissos assumidos em uma reunião de cúpula de 21 de julho, estendendo um novo pacote de ajuda aos gregos, no valor de € 109 bilhões, mas incluindo o oferecimento aos credores do país de um programa voluntário de troca da dívida.

No segundo cenário, a Grécia não conseguiria chegar a um acordo com seus credores internacionais nos próximos dias, o que levaria o governo grego a ficar sem dinheiro no meio de outubro e o obrigaria a um default desordenado.

Sem citar fontes, o Ta Nea relata que Venizelos também indicou uma terceira opção para o país, que incluiria uma reestruturação ordenada da dívida grega, mas com os credores enfrentando uma perda de 50%. Tal cenário seria acordado com os credores e permitiria a permanência da Grécia na zona do euro, diz o jornal. O Ta Nea acrescenta que esse cenário parece estar ganhando terreno no restante da Europa.

Em resposta, Venizelos disse serem contraproducentes as informações sugerindo que o país avalia um default programado, com perdas de 50% aos credores. Embora não tenha negado diretamente, o ministro das Finanças reafirmou o compromisso da Grécia de atingir as metas de déficit e dar prosseguimento a uma agenda de reformas. "Todas as outras discussões, rumores, comentários e cenários, que tirem a atenção do objetivo central e das obrigações políticas da Grécia, são um desserviço à nossa causa comum europeia", disse o ministro em nota.

O comissário de Mercados Internos da União Europeia, Michel Barnier, insistiu ontem que a Grécia pode evitar um eventual calote. "Nós acreditamos que, com os esforços significativos e dolorosos que a Grécia está fazendo e a solidariedade que temos, com a Grécia nós podemos evitar o default, que teria consequências muito sérias", disse Barnier em entrevista à rádio francesa Europe 1.

Barnier também reiterou o plano da comissão para reduzir o papel das agências de rating, na proposta que ele realizará em novembro. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.