Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Ministro interino da Agricultura diz que servidor envolvido em corrupção será afastado imediatamente

Além da apuração da PF, as ações ocorrem a partir de denúncias feitas em investigações internas dentro da Pasta e de apurações recorrentes após a Operação Carne Fraca, deflagrada em março

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2017 | 14h27

RIBEIRÃO PRETO - O ministro interino e secretário executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, afirmou ao Broadcast Agro, notícias em tempo real do Grupo Estado, que servidores envolvidos nas operações da Polícia Federal (PF), em Tocantins e em Santa Catarina, deflagradas nesta terça-feira, serão afastados imediatamente das funções e alvo de uma auditoria que poderá terminar com a exoneração dos cargos públicos. Além da apuração da PF, as ações, segundo ele, ocorrem a partir de denúncias feitas em investigações internas dentro da Pasta e de apurações recorrentes após a Operação Carne Fraca, deflagrada em março.

"Durante Operação Carne Fraca dissemos que outras deveriam surgir e as irregularidades apuradas no Ministério são compartilhadas com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal", afirmou. "Servidores envolvidos serão afastados imediatamente das funções e alvo de auditoria. O Ministério tem total interesse em expurgar do seu quadro servidores envolvidos em corrupção e em separar joio do trigo; a grande maioria dos servidores cumpre seu papel com muita competência", disse o ministro interino.

Segundo Novacki, a ação em Santa Catarina apurou o envolvimento de fiscais federais agropecuários que fariam "vista grossa" para importação de camarões da Argentina, com o apoio do Ministério da Agricultura. "Em Tocantins o problema é a fraude econômica, com fiscais que permitiram limite de água em frango acima do tolerado", disse. Novacki, que está no cargo por conta da viagem do ministro Blairo Maggi a países do Oriente Médio, afirmou que o Ministério acompanha e dá todo suporte à PF nas operações. 

Maggi foi informado pelo próprio Novacki das operações logo pela manhã e continuará acompanhando as apurações mesmo no exterior. Novacki está em deslocamento vindo de Dourados (MS), onde participou ontem de um evento do agronegócio. O ministro interino se dirige a Brasília (DF), onde terá uma reunião prevista para hoje à tarde com o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello. Eles devem discutir possíveis novas ações da corporação junto ao Ministério da Agricultura.

Em nota, a Polícia Federal informou que, na Operação Lucas, cerca de 120 policiais federais cumprem 62 mandados judiciais, sendo 10 prisões temporárias, 16 mandados de condução coercitiva e 36 mandados de busca e apreensão nos Estados de Tocantins, Pará, São Paulo e Pernambuco, além do bloqueio de contas bancárias e indisponibilidade de bens móveis e imóveis nos valores de R$ 2,2 milhões. A investigação começou após denúncia de que frigoríficos e empresas de laticínios fiscalizadas teriam sido favorecidas em processos administrativos, por meio do retardamento na tramitação e anulação de multas.

Já a Operação Fugu visa ao desmantelamento de grupo com atuação na Superintendência do Ministério da Agricultura em Santa Catarina. As investigações apuraram diversas evidências relacionadas à proteção ilícita de empresas do ramo alimentício, bem como de perseguição a servidores com atuação na área de fiscalização mediante instauração de procedimentos disciplinares e remoções infundadas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.