Ministro Mantega descarta novas desonerações

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, repetiu nesta quarta-feira, 14, que o governo não continuará a fazer desonerações e optará por manter apenas algumas delas. "As desonerações que temos feito são política anticíclica", disse. Segundo ele, serão mantidas desonerações "que dizem respeito a investimento e aumento de produtividade".

LAÍS ALEGRETTI E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

14 de maio de 2014 | 15h00

Em audiência na Câmara dos Deputados Mantega também repetiu que a alta de impostos para bebidas frias foi adiada em três meses e, portanto, ocorrerá apenas em setembro e não mais em junho, como previsto inicialmente. Além disso, o aumento das taxas se dará de forma escalonada. "O que acertamos ontem, com grandes e pequenos produtores, além de setor de bares e restaurantes, foi que eles não aumentem preço", disse.

Mantega argumentou, ainda, que o governo demorou para aumentar os impostos desses produtos. "Em função da crise e de inflação maior de alimentos, nós aliviamos e pulamos revisão de preços de tarifas durante um tempo. Mas em algum momento você tem de recompor", argumentou. "Como ficamos dois anos sem recompor, é como se tivéssemos dado subsídio para o setor, que é importante, tem muito emprego e faz investimentos."

Tudo o que sabemos sobre:
Mantegadesonerações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.