Ministro nega problemas na carne exportada pelo Brasil

Stephanes negou enfaticamente as acusações de que os produtores brasileiros utilizam hormônios de crescimento

REUTERS

17 de julho de 2007 | 18h26

O ministro da Agricultura do Brasil, Reinhold Stephanes, disse nesta terça-feira que são infundadas as acusações feitas por parlamentares da União Européia e por associações agrícolas do bloco de que a carne bovina brasileira não cumpriria padrões sanitários internacionais. "Os consumidores da UE podem ter certeza de que o Brasil está cumprindo todas as exigências da Organização Internacional de Saúde Animal", disse Stephanes.Grupos agrícolas europeus têm pressionado autoridades da UE para que haja um embargo total à carne brasileira. As associações européias argumentam que o Brasil não teria um sistema de rastreabilidade adequado. Dizem ainda que o Brasil utiliza hormônios no processo de produção e desmata florestas para abrir pastagens.Stephanes negou enfaticamente as acusações de que os produtores brasileiros utilizam hormônios de crescimento e disse que o Brasil está implementando recomendações feitas pelas autoridades de saúde animal da UE, que visitaram o país em março e vão voltar no final do ano. "O Brasil está cumprindo as recomendações da União Européia e mais", afirmou ele.Essas recomendações incluem a atuação de mais fiscais sanitários e legislação mais rigorosa para se combater doenças como a febre aftosa.O Brasil está adotando um novo sistema de identificação de bovinos que vai permitir rastrear o animal desde o seu nascimento. Até o final do ano, espera-se que 50 mil fazendas e cerca de 50 milhões de cabeças de gado estejam registradas, segundo o secretário de Desenvolvimento Agropecuário do ministério, Márcio Portocarrero.Stephanes disse ainda que a carne exportada pelo Brasil não é proveniente da região Amazônica. Mas ele acrescentou que os pecuaristas logo serão obrigados a adotar padrões de certificação de garantia ambiental, seguindo os produtores de soja e de cana-de-açúcar. Certificados de sanidade usados pelos exportadores de carnes bovinas estão sendo agora impressos pelo Banco Central com dispositivos de segurança, para que falsificações sejam evitadas, segundo o ministro. União Européia - Os países do bloco europeu são os principais compradores da carne bovina do Brasil, o maior exportador mundial do produto. Na segunda-feira, a próprio comissário de Saúde da UE, Markos Kyprianou, ao responder um pedido da comissária agrícola do bloco, Mariann Fischer Boel, refutou as acusações das organizações agrícolas européias. [ID:nN16331449]Segundo carta enviada por Kyprianou a Fischer Boel, as acusações feitas sobre a carne brasileira pelos fazendeiros da Europa, especialmente da Irlanda, são enganosas e incorretas. "Os produtores irlandeses vêem problemas porque eles não conseguem competir com a nossa carne", disse o ministro.(Por Ray Collit)

Tudo o que sabemos sobre:
Negócios, CarneAftosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.