Ministro nega que fatia da Petrobrás no pré-sal será reduzida

Lobão também afirmou que não há nenhuma novidade sobre o aumento dos combustíveis

Anne Warth, da Agência Estado,

15 de agosto de 2013 | 12h46

BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou que o governo não estuda reduzir a participação da Petrobrás para menos de 30% nos poços de petróleo do pré-sal ou desobrigar a empresa de ser operadora dos blocos. "Não há a menor possibilidade disso. É uma lei. O Congresso Nacional aprovou uma lei prevendo a participação da Petrobras com 30% e como operadora única, depois de muitos estudos e discussões", afirmou. "Não há o que falar em reduzir de 30% para 20%, 10% ou 5%. Não há. Não há estudo nenhum no governo sobre essa matéria."

O ministro disse também que não há novidade sobre o aumento dos combustíveis. Segundo ele, essa não é a única forma de o governo ajudar a Petrobrás, que está com alto nível de alavancagem. "Haveria ajuda maior do que 30% numa província petrolífera, como não há nenhuma outra no mundo, que é o pré-sal? Isso é uma grande ajuda", afirmou.

Lobão ressaltou que a Petrobrás apresentou um lucro superior a R$ 6 bilhões no segundo trimestre e negou que a companhia não tenha recursos para cumprir seu programa de investimentos. "A Petrobrás tem condições econômicas e financeiras de cumprir o seu papel, e vai cumprir. Mesmo com o câmbio na posição em que se encontra."

Tudo o que sabemos sobre:
petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.