Ministro nega reestatização de ferrovias

O ministro dos Transportes, Anderson Adauto, negou nesta terça-feira que o governo tenha a intenção de reestatizar ferrovias privatizadas no governo anterior. "O que pretendemos é restabelecer metas com as concessionárias", afirmou. Segundo Adauto, o programa de revitalização das ferrovias precisa no mínimo de investimentos de R$ 4 bilhões, nos próximos cinco anos. "Fazer a ampliação da malha ferroviária é o que o presidente da República deseja", disse Adauto após reunião com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci. Ele disse que o governo apenas está corrigindo os equívocos cometidos no processo de venda das concessões da Rede Ferroviária Federal realizado no governo passado. "Nesse processo, teremos que autorizar algumas fusões e incorporações para o bom funcionamento", disse.Na avaliação do ministro, o principal equívoco do processo de venda das concessões foi não ter levado em consideração a questão dos corredores de escoamento da produção. Um desses erros que estão sendo corrigidos, segundo o ministro, é o de uma mesma carga ter que passar por três concessionárias. "É como se uma pessoa pegasse três táxis para chegar ao local de destino dele", disse. O ministro informou que tem o compromisso com as concessionárias de aplicar pelo menos R$ 350 milhões, este ano e no ano que vem para fazer correções que existem hoje na malha ferroviária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.