Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ministro pede à Volks que suspenda demissões e volte a discutir estabilidade

Segundo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, essa foi a 'decisão mais imediata' prometida para tentar solucionar demissões; em troca, os 13 mil funcionários da fábrica de São Bernardo suspenderiam greve, que já dura uma semana

Igor Gadelha, Agência Estado

13 de janeiro de 2015 | 17h47

Após reunião de pouco mais de uma hora no Palácio do Planalto, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, prometeu ao presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, que entrará em contato com a direção da Volkswagen para pedir a suspensão das 800 demissões previstas para fevereiro para que trabalhadores e montadora retomem as discussões sobre a reestruturação do acordo vigente desde 2012 e que garantia estabilidade do emprego até março de 2017.

De acordo com Marques, essa foi a "decisão mais imediata" prometida pelo ministro para tentar solucionar o problema das demissões. Em troca dessa suspensão dos cortes (prometidos pela montadora para fevereiro), os 13 mil funcionários da fábrica de São Bernardo do Campo suspenderiam a greve, que completou nesta terça-feira uma semana. Outro pedido feito pelo sindicato, acrescentou, foi de que o governo "diga que é possível estruturar" o Programa Nacional de Proteção ao Emprego no primeiro trimestre deste ano.


"Ele (Rossetto) disse que faria contato com a direção da Volks e com a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores). O ministro concordou conosco de que a melhor saída para esse conflito seria suspender as demissões e a gente retomar a negociação sobre a reestruturação do acordo", afirmou. Segundo o presidente do sindicato, a última proposta de adequação feita pela empresa foi recusada pelos funcionários em assembleia realizada no dia 2 de dezembro.

De acordo com a assessoria da Volkswagen, a proposta previa o "aditamento" do acordo atual, revendo as "condições estabelecidas e propondo novas com foco na melhoria de competitividade da fábrica frente ao cenário atual de mercado e as projeções para 2015". Entre as mudanças, estaria a "continuidade" de formas de adequação de efetivo por meio de programas de demissão voluntária e de suspensão de contratos de terceirização para alocação de parte do pessoal excedente. Em contrapartida, a montadora "modificava" na proposta as regras de reajustes de salários e participação nos resultados.

Em nota à imprensa, a montadora confirmou que foi procurada por representantes do governos federal, estadual e municipal e informou que "retomou", na tarde desta terça-feira, reuniões com o sindicato "com vistas a estabelecer condições para um futuro sólido e sustentável" para a unidade de São Bernardo. O encontro começou por volta das 16 horas. Para o presidente do sindicato, contudo, é "temerário" afirmar que esse primeiro encontro represente o retorno das negociações sobre o acordo que garante estabilidade do emprego.

Reunião em SP. Na tarde desta segunda-feira, o presidente do sindicato já havia se reunido com o secretário de Emprego e Relações do Trabalho de São Paulo, João Dado. Na ocasião, o dirigente apresentou uma pauta, também aprovada no protesto da manhã de segunda-feira, direcionada ao governo estadual. Entre os pedidos, estão a criação do Conselho Estadual de Política Industrial e de um Programa de Adensamento da Cadeia Produtiva Automotiva e combate à guerra fiscal.

Tudo o que sabemos sobre:
Volkswagensetor automobilísticogreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.