Ministro prevê fim do desmatamento na Amazônia pela pecuária

Implantação de uma guia de trânsito eletrônica georreferenciada ajudará na preservação da floresta

AB,

08 de setembro de 2009 | 14h14

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, disse nesta terça-feira, 8, que a implantação de um sistema de guia eletrônica georreferenciada desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) será de grande relevância para tornar possível que a pecuária deixe de desmatar na Amazônia.

 

"Tenho convicção de que, a partir da implantação de uma guia de trânsito eletrônica georreferenciada, poderemos começar a vislumbrar uma atividade pecuária sem desmatamento na Amazônia", afirmou o ministro.

 

O monitoramento deve estar funcionando a partir de 1o de janeiro em uma área piloto do estado do Pará, e abrangerá uma área de 140 mil quilômetros quadrados. Por meio dessa guia eletrônica será possível dar rapidez e, em tempo real, controlar a saída e a chegada de bois nas propriedades, explicou Stephanes durante audiência pública realizada na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado.

 

"Pelo satélite localizaremos a fazenda e identificaremos, em intervalos de seis meses, se houve ou não desmatamento nessa propriedade. Caso tenha desmatado, a fazenda não receberá novamente a guia e com isso não poderá mais fornecer gado", disse o ministro Agência Brasil, após participar da audiência.

 

Stephanes lembrou que apesar de a pecuária ser individualmente a maior responsável pelos desmatamentos na região, há outras frentes de desmatamento que precisam ser combatidas. Mas com esse rastreamento teremos condições de melhorar consideravelmente a situação.

 

Segundo ele, o projeto será implantado sem a participação do Ministério do Meio Ambiente, uma vez que a relação com a Pasta é difícil.

 

Stephanes participou de audiência pública na Comissão de agricultura do Senado, na qual foi discutido o índice de produtividade rural. Também participou dos debates o engenheiro agrônomo e pesquisador da Embrapa Eliseu Alves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.