Ministro propôe às empresas telefone com assinatura mais barata

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, propôs hoje às empresas de telefonia fixa a criação de um novo telefone, destinado à população de baixa renda (em torno de dois salários mínimos mensais). O modelo desse novo serviço será elaborado por um grupo de trabalho formado por técnicos do Ministério e representantes da Telefônica, da Telemar e da Brasil Telecom.A idéia é que esse telefone tenha uma assinatura básica mais barata, mas que a tarifa continue a mesma de hoje, diferentemente de uma proposta em discussão na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que propunha um aumento das tarifas para esses serviços para compensar o valor baixo da assinatura. Costa disse que este é um primeiro passo, já que a idéia dele é, com o tempo, acabar com a cobrança da assinatura básica.Preços diferenciadosSegundo ele, seriam estabelecidos preços diferentes para a assinatura básica, de acordo com as diversas faixas de renda. O ministro usará como referência uma proposta da Anatel chamada Acesso Individual Classe Especial (AICE), cuja assinatura cairia dos atuais R$ 38,00 em média para R$ 26,00. Segundo o ministro, a idéia é baixar ainda mais este valor. Costa voltou a dizer que pretende conversar com os governadores com objetivo de reduzir a carga tributária incidente sobre esse novo serviço telefônico que está propondo. Ele fez questão de mencionar que sua intenção não é apenas possibilitar que essa camada da população tenha telefone, mas também estender o benefício às pessoas que já têm telefone, mas têm dificuldade para pagar a conta. O ministro disse que sua proposta não alcançará os telefones comerciais nem a faixa da população que tem mais de um telefone em casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.