Ministro quer que BC reduza juro

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, indicou ontem que a tendência no Brasil, a exemplo da maioria dos países no mundo, é de redução de juros. Apesar de não falar em prazos ou índices, o ministro insistiu na necessidade de reduzir o custo financeiro. "Vai haver espaço para a política monetária mais flexível em todos os países", disse Mantega. Diante da insistência dos repórteres em saber se o Brasil ia seguir a tendência do resto do mundo e reduzir os juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), o ministro desabafou: "Vocês estão querendo criar uma armadilha para que eu diga qual vai ser o próximo resultado do Copom, coisa que eu jamais direi, até porque eu não sei. Mas, aqui, o importante é dizer qual vai ser a diretriz, a linha mestra, e a linha mestra é a redução do custo financeiro no mundo inteiro e no Brasil também." Mantega reiterou a necessidade de uma ação coordenada entre os países em vários níveis - comércio, regras de regulação homogêneas e políticas monetária e fiscal.Após salientar que os mercados hoje são todos interdependentes, acrescentou: "Se você começa a tomar medidas em alguns países e não em outros, o dinheiro escapa para outros mercados e outros países; você tem de sintonizar as políticas e o sentido das políticas é de dar mais crédito e reduzir o custo financeiro." Mantega lembrou que, nos Estados Unidos, a taxa de juros já baixou para 1% ao ano e, no Reino Unido, para 3%. "Não vai se fazer nada uniforme. Mas uma coisa é certa: é preciso baixar o custo financeiro em todos os países porque ele subiu muito recentemente. Portanto, tem de cair, senão não haverá retomada da atividade econômica", disse o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.