-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Ministro vai à OMC defender incentivos fiscais à indústria

Técnicos brasileiros entrarão com recurso contra decisão que diz que politica atuou como barreira a importações

Lu Aiko Otta, O Estado de S. Paulo

20 de novembro de 2016 | 10h28

Brasília - A condenação provisória de pontos do programa Inovar Auto e outros incentivos fiscais concedidos pelo governo brasileiro a setores específicos será o principal tema da visita que o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, fará nesta semana a Genebra. Ele vai reunir-se com o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, na quinta-feira.

O governo vai recorrer da decisão. Técnicos aguardam a posição final do órgão internacional, esperada para o dia 14 de dezembro, para apresentar sua apelação. Um ponto central da defesa é que o Brasil é um país em desenvolvimento e tem direito a fazer sua política industrial. O Inovar Auto é um programa adotado no governo de Dilma Rousseff que garantiu redução de impostos para o setor automotivo com fábricas instaladas no País.

O documento de mais de 400 páginas com a decisão preliminar da OMC está em análise pelo governo brasileiro. Técnicos informam que não houve condenação a programas inteiros, mas a aspectos deles. Em alguns casos, a ressalva não se refere ao estímulo em si, mas à forma como ele é feito.

Em relação ao Inovar Auto, a expectativa no governo e no setor é que uma decisão final, após o recurso apresentado pelo Brasil, ocorra próximo do prazo final do programa, 31 de dezembro de 2017. Em seguida, entrará em vigor o Inovar Auto 2, já em discussão entre governo e montadoras.

A nova versão não terá o que hoje é o centro do programa: o adicional de 30 pontos porcentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que foi objeto da contestação na OMC por atuar, na prática, como barreira contra produtos importados. Mas o fim desse adicional não é resultado da decisão da OMC, mas sim de um calendário estabelecido em 2012, quando o programa foi criado.

Sem o adicional do IPI, a nova versão do programa vai estabelecer metas que buscarão tornar os carros brasileiros competitivos no mercado mundial. Segundo um executivo do setor, está claro que o mercado interno não tem como absorver toda a produção das montadoras. A solução é buscar o mercado externo.

As novas metas, ainda em discussão, buscarão incorporar as tecnologias de motorização, além de fortalecer o uso de biocombustíveis, em sintonia com metas de redução da emissão de carbono firmadas em acordos internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.