Ministros da zona do euro se reúnem nesta quinta para decidir sobre a Grécia

País precisa de mais financiamento e continua com a necessidade de realizar cortes profundos no endividamento; Alemanha e FMI devem apoiar a liberação de mais recursos 

Stefânia Akel, da Agência Estado,

12 de dezembro de 2012 | 20h41

Os ministros de finanças da zona do euro vão se reunir nesta quinta-feira para discutir a liberação da próxima parcela de ajuda financeira à Grécia, apesar de o programa de recompra do governo grego não ter atendido à expectativa no que se refere à redução da dívida. O país, agora, vai precisar de mais financiamento e continua com a necessidade de realizar cortes mais profundos em seu endividamento.

Os líderes da zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordaram, no mês passado, em providenciar a próxima parcela de cerca de 34 bilhões de euros à Grécia se o país atendesse diversas condições e diminuísse consideravelmente sua dívida com detentores privados de bônus com a recompra a menor valor de face.

O governo grego informou nesta quarta-feira que o programa não atendeu as expectativas porque a Grécia terá que pagar um preço maior do que o esperado para comprar os 31,9 bilhões em bônus ofertados.

Os investidores fizeram ofertas para vender os bônus gregos que detêm em carteira a um preço médio de cerca de 33,8 centavos de euro - próximo do teto da faixa de preço proposta pela Grécia -, resultando num custo total de 11,29 bilhões de euros se a Grécia aceitar todas as ofertas, informou a agência de dívida do país em comunicado. Os credores oficiais reservaram 10 bilhões de euros para completar a operação de recompra da dívida pelo governo grego, o que implica na necessidade de pedir 1,3 bilhão de euros adicionais aos credores oficiais.

Já a Alemanha e o FMI definiram a recompra como tendo sido bem-sucedida e devem apoiar a liberação de mais financiamento à Grécia na reunião de amanhã. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciazona do eurocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.