Divulgação
Divulgação

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Três ministros deixam cargos e devem reforçar votação da PEC do Teto

Chefes de Cidades, Minas e Energia e Turismo são deputados federais da base aliada de Temer

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2016 | 07h40

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer exonerou os ministros das Cidades, Bruno Araújo, de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e do Turismo, Marx Beltrão, nesta segunda-feira, 10. Os decretos informando a exoneração dos dois primeiros foram publicados no Diário Oficial da União (DOU) de hoje. A terceira exoneração deve ser publicada em uma edição extra do DOU.

O motivo das dispensas não foi informado, mas deve se tratar de uma espécie de licenciamento para reforçar a votação a favor da Proposta de Emenda à Constituição 241, que cria um teto para o crescimento do gasto público. Os ministros são deputados federais da base aliada de Temer. Bruno Araújo é do PSDB e Fernando Coelho Filho, do PSB, ambos de Pernambuco. Marx Beltrão é do PMDB de Alagoas.

A PEC do Teto, que é a medida central do governo para conter o aumento acelerado da dívida pública, ajustar a política fiscal e reanimar a economia do País, é o principal destaque da pauta do plenário da Câmara nesta segunda-feira. A sessão de hoje dará início à votação da matéria em primeiro turno na Casa. A intenção do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é concluir esta etapa até amanhã.

A estratégia se soma às várias outras ações que a equipe econômica e o próprio presidente têm realizado para conseguir a aprovação da matéria ainda este ano. Ontem, Temer promoveu um jantar para cerca de 215 parlamentares no Palácio da Alvorada, além de ministros e assessores, para mostrar, mais uma vez, a necessidade, do ponto de vista do governo, de se aprovar o limite previsto na PEC.  

Pelos cálculos do governo, apesar da resistência de alguns setores, da Procuradoria-Geral da República e da oposição, a PEC do Teto deverá ser aprovada hoje com ao menos 350 votos. Se tudo seguir conforme o cronograma previsto, o último capítulo da votação deve ocorrer no fim do mês, entre os dias 24 e 25.

Durante a votação do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, ministros com mandato parlamentar também adotaram a estratégia de "se licenciar" para participar das sessões de votação, tanto na Câmara quanto no Senado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.