Ministros de Alemanha e França votam acordo para reduzir gastos

Os ministros das Finanças europeus estabeleceram compromisso pelo qual as duas maiores economias da região, Alemanha e França, devem buscar reduzir seus déficits orçamentários nos próximos dois anos. A Alemanha deve cortar seus gastos em 0,6% do PIB em 2004 e 0,5% do PIB em 2005. A França prevê redução nos gastos equivalente a 0,77% do PIB no ano que vem e de 0,6% em 2005. Os cortes são inferiores aos demandados pela Comissão da União Européia, que terá de acatar a decisão. Além disso, como o acordo foi fechado fora do Pacto de Estabilidade - entre as regras que sustentam o acordo de criação da zona do euro -, a Comissão não tem poderes para impor seus próprios cortes. "Consideraremos as consequências", disse Pedro Solbes, comissário de assuntos econômicos europeus. A Comissão pode levar Estados-membros à Corte se acreditar que a decisão viola as Leis Européias. O compromisso assumido hoje foi vetado pela Holanda, Áustria, Finlândia e Espanha. Mas tais países representam apenas 20 dos 40 países-votantes da zona do euro. França e Alemanha devem superar o limite de déficit orçamentário do Pacto da Estabilidde de 3% do PIB em 2004, pelo terceiro ano consecutivo. Enquanto o ministro das Finanças da França, Francis Mer, disse aceitar os princípios previstos de enquadramento do orçamento, seu colega alemão, Hans Eichel, rejeitou os procedimentos previstos no acordo. Eichel disse trata-se de infração à soberania do país, referindo-se em particular à obrigação de oferecer relatórios regulares sobre os progressos relativos aos cortes nos custos do orçamento. No entanto, ao sair do encontro dos Ministros Eichel afirmou: "Será difícil para a Alemanha, mas o acordo foi feito sobre bases realistas". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.