finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ministros do G20 fecham acordo sobre indicadores

Os ministros de Finanças das principais economias do mundo fecharam neste sábado um acordo paliativo para medir os desequilíbrios da economia global, depois que a China conseguiu evitar o uso de taxas cambiais e reservas monetárias como indicadores.

LOUISE EGAN E JULIEN TOYER, REUTERS

19 de fevereiro de 2011 | 18h16

Christine Lagarde, ministra francesa de Finanças que presidiu a cúpula, disse que o acordo entretanto representa um passo significativo para aprimorar a coordenação das políticas econômicas ao redor do globo, no intuito de evitar outra crise financeira.

"As negociações foram francas, às vezes tensas, e conduziram a um compromisso final que não pode ser atribuído a nenhuma delegação em particular, mas que garanto representar um espírito de comprometimento e ambição", declarou ela em uma coletiva de imprensa.

Ministros e presidentes de Bancos Centrais concordaram com uma lista de indicadores que incluem dívidas públicas e déficits fiscais, poupança e empréstimo privados, a balança comercial e outros componentes do balanço de pagamentos, como os fluxo líquido de investimento.

Mas, por insistência da China, não houve menção à taxa de câmbio real nem às reservas de moeda estrangeira.

"As reservas foram deixadas de lado", disse Lagarde, acrescentando que o acordo contemplou um mecanismo para levar em conta as taxas cambiais quando da avaliação do balanço de pagamentos total.

Os Estados Unidos e outros países ocidentais acusam a China de manter o iuan artificialmente desvalorizado para impulsionar suas exportações e acumular grandes reservas de moeda estrangeira, que afirmam distorcer a economia mundial.

O secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner, repetiu depois das conversas que a moeda chinesa "continua substancialmente depreciada" e que sua taxa cambial real não se alterou muito apesar de sua lenta apreciação desde uma reforma em junho passado.

A segunda maior economia do mundo, que superou o Japão na semana passada, resistiu à pressão ocidental para revalorizar significativamente sua moeda para ajudar a reequilibrar o crescimento global.

O superávit comercial da China encolheu ultimamente, talvez explicando por que o país prefere essa medida.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROG20ACORDOINDICADOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.