Ministros se reúnem em Paris para tentar manter Rodada Doha

Potências comerciais se reúnem naquinta-feira em Paris para tentar manter as chances de sucessoda chamada Rodada Doha das negociações comerciais globais, oque segundo elas, ajudaria a conter as atuais crises alimentare econômica globais. O encontro envolve ministros de Estados Unidos, UniãoEuropéia, Índia, Brasil, Japão e outros países da OrganizaçãoMundial do Comércio. Analistas dizem que a Rodada Doha ficará politicamenteinviável se não for resolvida nas próximas semanas, devido aoscalendários eleitorais dos EUA, da Índia e da posse de uma novadireção da União Européia. Temos de resolver essas negociações, resolver as cifras egarantir que estamos trabalhando para que ocorra uma (reunião)ministerial nas próximas semanas", disse à Reuters o comissárioeuropeu de Comércio, Peter Mandelson, ao chegar para a reunião. A Rodada Doha foi lançada há sete anos, com o objetivo dereduzir barreiras comerciais no mundo. Mas há fortes diferençasentre países desenvolvidos e em desenvolvimento, especialmentea respeito de tarifas e subsídios agrícolas. Na segunda-feira, um mediador desistiu das propostas quetentavam conciliar as posições divergentes a respeito docomércio de bens industriais, outro ponto importante da RodadaDoha. Defensores do acordo dizem que concluí-lo é mais importantedo que nunca, pois a liberalização comercial poderiacontrabalançar a alta mundial de preços alimentícios, queameaça aumentar o número de famintos do planeta para quase 1bilhão de pessoas. "Ao cortar tarifas de importação agrícola e disciplinar aforma como os países ricos usam subsídios, as nações emdesenvolvimento serão incentivadas a produzir bens agrícolas ecompetir em termos mais justos", disse a negociadora comercialmexicana, Beatriz Leycegui Gardoqui. Em 2007, houve protestos no México devido à alta da"tortilla." Atualmente, a inflação no país é a maior dosúltimos três anos.

WILLIAM SCHOMBERG, REUTERS

05 de junho de 2008 | 09h36

Tudo o que sabemos sobre:
DOHAMINISTROS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.