Minoritários questionam reestruturação da TCO

Perto de concluir sua reestruturação, a Tele Centro-Oeste Celular (TCO) enfrenta novo questionamento de minoritários. A Associação Nacional de Investidores do Mercado de Capitais (Animec) queixa-se de tratamento diferenciado nas operações envolvendo Telegoiás e Telebrasília e enviou carta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) cobrando uma posição. A Assessoria de Imprensa da TCO afirmou que a empresa não iria comentar o assunto, em razão de compromissos de sua diretoria.Em 19 de dezembro passado, a TCO anunciou a intenção de incorporar a Telebrasília, oferecendo aos minoritários da operadora uma troca de ações, com base no patrimônio líquido avaliado a preços de mercado. A divulgação, no entanto, ocorreu menos de um mês depois da liquidação da oferta para o fechamento de capital da Telegoiás.Animec questiona condições para troca de açõesNeste caso, o critério para o pagamento dos acionistas foi o valor econômico da empresa. "Fica patente o favorecimento aos minoritários da Telebrasília ao se adotar o critério de substituição de suas ações pelas da TCO, cujos papéis têm excelente liquidez, possuindo até mesmo ADRs (recibos de ações) negociados na Bolsa de Valores americana", informa a carta da Animec.Gregorio Mancebo Rodrigez, vice-presidente da Animec, estima que, se os acionistas da Telegoiás tivessem recebido o mesmo tratamento, o valor implícito da oferta por suas ações teria sido 36% maior ao que foi pago, passando de R$ 62,30 para R$ 84,74. O cálculo considera as cotações de dezembro. Ele argumenta ainda que nem mesmo o critério de liquidez dos papéis poderia ter sido usado pela TCO para justificar o procedimento distinto.Considerando os papéis de maior negociação, afirma, a Telegoiás levou vantagem em 2001, girando R$ 15,7 milhões até 20 de dezembro, contra R$ 4,9 milhões da Telebrasília, no mesmo intervalo. Em 2000, as ações da operadora goiana também lideraram, com R$ 11 ,7 milhões frente a R$ 6,3 milhões.Entidade propõe acordoComo os investidores da Telegoiás já venderam suas ações, a entidade propõe que seja paga a diferença entre o preço oferecido no leilão e o montante arbitrado com base nas cotações sobre o valor patrimonial das empresas. A conta, de R$ 62,30 para R$ 84,74, dá um adicional de R$ 22,44 por ação.Rodriguez afirmou que a reivindicação da Animec de tratamento eqüitativo nas reorganizações encontra força no próprio estatuto social da Tele Centro Oeste Celular. Essa interpretação não é acompanhada pelo jurista Nelson Eizirik, especialista em direito societário. A CVM, por meio de sua Assessoria de Imprensa, informou que o caso se encontra ainda em análise na autarquia, sem prazo definido para uma conclusão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.