SÉRGIO CASTRO|ESTADÃO
SÉRGIO CASTRO|ESTADÃO

Miritituba encurta distância para Cianport acessar exterior

Joint venture criada pela produtora de grãos Agrosoja e a trading Fiagril inaugura em junho instalações no porto paraense

CLARICE COUTO, DE SÃO PAULO, E JOSÉ ROBERTO GOMES, ENVIADO ESPECIAL A BARCARENA (PA), O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2016 | 17h10

Acompanhando o movimento de tradings internacionais em direção ao norte do Brasil, a Cianport, joint venture criada pela produtora de grãos Agrosoja com a trading Fiagril, inaugura em junho a sua Estação de Transbordo fluvial de Cargas (ETC) em Miritituba (PA). O investimento é de R$ 45 milhões e deve resultar no escoamento, este ano, de pelo menos 300 mil toneladas de grãos de produção própria. Para 2017, a previsão é chegar a 1,5 milhão de toneladas. Em entrevista ao Broadcast Agro, o diretor da Cianport, Luis Antonio Pagot, destacou as vantagens de exportar pelo Norte do País e sinalizou que a companhia está aberta a prestar serviços às tradings da China, país que recebe cerca de 75% da soja brasileira enviada ao exterior. Veja abaixo os principais pontos da entrevista de Pagot ao Broadcast:

Broadcast Agro - Por que construir estrutura própria e não usar a de terceiros, como outras empresas fazem? 

Luis Antonio Pagot - Os sócios da Cianport têm boa capacidade de originação (aquisição de terceiros) no médio-norte de Mato Grosso e formataram um projeto completo de implantação com ETC, Terminal Portuário de Grãos para carregamento de navios e frota fluvial operando com grandes comboios, que tem custos competitivos.

Broadcast Agro - O Arco Norte vem sendo apontado como um canal de escoamento em expansão para a safra de grãos do Centro-Oeste. Quais são as vantagens de operar por lá? 

Pagot - Redução de custos no transporte rodoviário (a partir da conclusão da BR-163); operações fluviais e marítimas na Bacia Amazônica, com menores custos da carga; e diminuição no tempo de viagem para determinados destinos, dada a proximidade com o Canal do Panamá.

Broadcast Agro - Todo o complexo da Cianport terá capacidade para movimentar que volume? 

Pagot - A ETC, implantada na margem direita do Rio Tapajós, tem capacidade inicial de movimentar 3,5 milhões de toneladas por ano, com tombadores rodoviários para carretas, conjunto de elevadores de carga e esteiras transportadoras com fluxo de 1.000 toneladas/hora, 5 silos metálicos de 11.000 toneladas cada, carregador de barcaças e terminal flutuante para atracação. Essa estrutura é suficiente para atender a demanda nos primeiros cinco anos.

Broadcast Agro - A Cianport vai prestar serviço para tradings chinesas em Miritituba? 

Pagot - Inicialmente, vamos operar com carga própria, mas esse é um mercado de parcerias e certamente a empresa poderá prestar serviço, com originação também no norte de Mato Grosso, onde há 5,5 milhões de hectares em pastagens degradadas que oferecem oportunidade para plantio de grãos, com custo de frete bem mais competitivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.