Missão do FMI discute aumento dos gastos com infra-estrutura

Representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI) começam hoje a discutir com o governo brasileiro a elaboração de um projeto-piloto para aumentar e melhorar os gastos em infra-estrutura sem afetar o ajuste fiscal do País. A expectativa é que a missão fique no Brasil até a próxima segunda-feira e, segundo o secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, os trabalhos serão coordenados pela chefe do Departamento Fiscal do Fundo, Tereza Ter-Minassian. Desde a semana passada, técnicos da instituição coletam dados sobre a economia brasileira e estudam detalhes do projeto de Parcerias Público-Privadas (PPP), em tramitação no Congresso Nacional. Levy informou que nas reuniões com a missão do FMI está em discussão também a exclusão dos investimentos do cálculo do superávit primário - arrecadação do governo menos os gastos com as autarquias municipais, estaduais, federal e as empresas estatais -, mas uma decisão sobre o assunto poderá ficar para o próximo ano. Os setores prioritários para o governo brasileiro são os de transporte e irrigação.Há estudos em andamento em outros países, como a Bulgária e a Espanha, e o projeto-piloto atende a uma demanda brasileira, mas servirá para outros integrantes do Fundo. Ainda de acordo com Levy, essa missão do FMI não tratará do atual acordo com o País, que termina em dezembro e não deverá ser renovado.As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.