Missão vai à Argentina negociar comércio bilateral

Uma missão de técnicos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior segue nesta quinta-feira para Buenos Aires para tratar da retomada do comércio entre Brasil e Argentina. Eles discutirão com seus colegas a ampliação do número de produtos cobertos pelo Convênio de Crédito Recíproco (CCR), a revisão do acordo automotivo e um projeto para integrar os parques produtivos dos dois países.A informação foi dada nesta quarta-feira pelo ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, que se reuniu com o embaixador do Brasil na Argentina, José Botafogo Gonçalves. "Haverá um mapeamento de todos os temas pendentes", disse Gonçalves. "É fundamental reabrirmos todas as negociações."Amaral disse que as conversas obedecem a "uma diretriz básica determinada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso de que o Brasil é integralmente solidário à Argentina." Ele acredita que o entrosamento das cadeias produtivas dos dois países será fundamental para remover os desequilíbrios no comércio entre os dois países e assegurar uma regulação do intercâmbio comercial.Com relação ao pagamento argentino a exportadores brasileiros, o ministro disse que tal problema será equacionado na medida em que o funcionamento do sistema bancário da Argentina for normalizado e com a revisão do CCR. Segundo Amaral estimativas não oficiais apontam para uma dívida de US$ 350 milhões a US$ 400 milhões.Ele afirmou, ainda, que "está na hora de pensar num novo regime automotivo" entre Brasil e Argentina. O regime prevê que, para cada US$ 100,00 exportados para a Argentina, o Brasil pode importar US$ 110,50 de lá e vice-versa, livres de impostos.Mas o país vizinho acumula um excesso de exportações para o Brasil da ordem de US$ 900 milhões, que resultaria uma taxação de cerca de US$ 100 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.