Divulgação
Divulgação

Mitsubishi demite cerca de 400 operários em GO, diz sindicato

Segundo representante dos trabalhadores, empresa fez cortes em fábrica em Catalão sem comunicação prévia, infringindo acordo de estabilidade no emprego para trabalhadores

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2015 | 13h13

A Mitsubishi demitiu cerca de 400 operários na fábrica de Catalão, interior de Goiás, informou o Sindicato dos Metalúrgicos da região. Segundo a entidade, os desligamentos foram anunciados pela empresa na última sexta-feira, 2. Esse é o segundo grande corte realizado pela montadora japonesa em pouco mais de três meses. Em julho deste ano, a companhia já tinha demitido cerca de 200 trabalhadores da unidade. 

De acordo com o sindicato dos metalúrgicos, a Mitsubishi não comunicou previamente sobre as demissões da última sexta-feira, "impedindo um diálogo na tentativa de encontrar alguma alternativa". A entidade ressalta também que os desligamentos infringem acordo mediado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), em julho, que garantia estabilidade no emprego para trabalhadores da fábrica de Catalão até o fim de outubro deste ano. 

Em protesto contra os cortes, o sindicato realizou na manhã desta segunda-feira, 5, ato na porta da fábrica pedindo a reintegração dos demitidos. A entidade também agendou para 17 horas de hoje uma caminhada pela cidade "em favor do emprego e do Brasil". Antes disso, às 14h30, está prevista uma audiência de mediação entre montadora e sindicato no MPT. Procurada, a Mitsubishi informou que só vai se pronunciar após essa reunião.

Férias coletivas. Os protestos desta segunda-feira ocorrem no mesmo dia em que os funcionários da fábrica de Catalão da Mitsubishi entraram em férias coletivas. De acordo com a montadora, os funcionários devem ficar em casa por 20 dias. É a segunda vez neste ano que a empresa recorre à medida. Após as demissões de julho, os cerca de 3 mil trabalhadores da unidade passaram 10 dias afastados, para evitar mais demissões na planta. 

Na fábrica de Catalão, a Mitsubishi produz os modelos L200, Lancer e ASX. Desde maio, a unidade passou a montar também o jipe Jimmy, após o fechamento da fábrica da Suzuki em Itumbiara, interior de Goiás, onde o modelo era fabricado até então. A planta tinha sido inaugurada em 2013. No Brasil, as duas marcas japonesas são coligadas e representadas pelo grupo Souza Ramos e pelo banco BTG Pactual. 

Volks. Nesta segunda-feira, a produção também está paralisada, nos três turnos, na fábrica da Volkswagen em Taubaté (SP). Segundo o sindicato dos metalúrgicos da região, a empresa informou que a paralisação foi motivada pela falta de peças, após problemas com fornecedor. Em alguns dias da semana retrasada, o mesmo problema paralisou a produção na unidade em diferentes turnos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Mitsubishisetor automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.