Mitt Romney diz que gostaria de um novo presidente para o Fed

Candidato não vai indicar o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, para mais um mandato à frente do banco central

Álvaro Campos, da Agência Estado,

23 de agosto de 2012 | 15h53

NOVA YORK - O potencial candidato republicano à presidência dos EUA, Mitt Romney, disse hoje em uma entrevista à emissora Fox Business que, caso eleito, não vai indicar o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, para mais um mandato à frente do banco central.

"Eu gostaria de escolher uma nova pessoa para esse cargo de presidente, alguém que compartilhe de minhas visões econômicas, alguém que eu considere simpático às necessidades da nossa nação. E eu quero ter certeza que o Federal Reserve se foque na manutenção da estabilidade monetária, que leva a um fortalecimento do dólar, e na confiança de que a América não vai seguir o mesmo caminho ruim que outros países seguiram, se arriscando", comentou Romney. O atual mandato de Bernanke termina em 2014.

O candidato republicano comentou ainda que uma terceira rodada de relaxamento quantitativo (QE3, na sigla em inglês), que está sendo considerada pelo Fed, não vai ajudar a economia norte-americana. "Eu não acho que o QE2 foi absolutamente eficiente, e acho que o QE3 ou outro estímulo do Fed não vai ajudar a economia. Eu acho que essa é uma opção errada. Eu acho que isso alimenta o tipo de potencial para a inflação, no futuro, que seria prejudicial para o valor do dólar e prejudicial para a estabilidade das necessidades da nossa nação", acrescentou Romney na entrevista para a Fox Business.

Os comentários do candidato contradizem uma declaração feita na terça-feira por um de seus principais assessores econômicos, Glen Hubbard, que afirmou que Bernanke poderia ser indicado para um terceiro mandato à frente do Fed. Na entrevista hoje, Romney disse que ainda não tem nenhum nome em mente para a presidência do banco central. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FedRomney

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.