MME corrige: leilão de novas hidrelétricas é adiado

O Ministério de Minas e Energia (MME) corrigiu uma informação, que consta em nota transmitida anteriormente, sobre a capacidade das seis usinas a serem licitadas. Juntas, elas deverão gerar 1.236 megawatts (MW) - e não 1.800 MW como havia sido informado anteriormente. Segue novamente o texto, corrigido:

LEONARDO GOY, Agencia Estado

25 de maio de 2010 | 19h32

O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, disse hoje que a greve dos funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), iniciada em 12 de abril, foi o principal fator que levou o governo a pedir para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) não aprovar o edital do leilão de seis novas hidrelétricas, que seria realizado em junho. "Deve ficar para o fim de julho ou começo de agosto. Mas tentaremos fazer em julho", disse o ministro, após participar de audiência pública da subcomissão do Senado que analisa o projeto da hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA).

Segundo Zimmermann, das seis usinas que o governo quer licitar, duas, localizadas no Rio Parnaíba (Piauí/Maranhão), não tinham licença ambiental prévia, condição exigida pela lei para que um projeto desse tipo seja licitado.

Somadas, as seis usinas terão capacidade para gerar cerca de 1.236 megawatts. Segundo o ministro, as usinas que já possuem licença são: Ferreira Gomes (AP), Santo Antônio do Jari (AP), Colíder (MT) e Garibaldi (SC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.